RSS

FERIDAS DA ALMA

almapaix“Pois que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?”

Mc 8:36

A casa pode estar limpa e cheirosa, mas se o banheiro estiver sujo, certamente contaminará toda a casa, assim, uma alma doente contamina todo o corpo.

Quando a sombra das agruras do passado encobrem o presente, a vida adoece, a alma fica enferma. Uma vida sem os princípios divinos enlameiam a alma e faz com que paire sobre ela uma horrível expectação de juízo.

Há prisioneiros de ações condenáveis, que mesmo depois de Jesus Cristo ter aberto a porta da prisão, optaram por permanecerem trancafiados em suas práticas pecaminosas.

Se o “banheiro” da alma não estiver totalmente limpo, a sujeita oculta, um dia virá a tona e causará escândalo.

Há fedores terríveis da alma que o próprio indivíduo sente repulsa. No entanto, habituou-se com a lama, adaptando-se a uma vida que tem consciência de que o condenará por uma eternidade.

Não se pode limpar um ambiente de propositalmente está trancado.

A limpeza desse núcleo que ninguém pode violar, se dá através do convite ao Espírito Santo para que entre naquilo que nós não queremos compartilhar, e sem resistências permitamos o Seu acesso aos nossos piores fedores, para que faça uma faxina intensa com o sangue de Jesus Cristo e nos purifique, higienizando tudo o que está contaminado.

Limpar a alma é tão fundamental quanto colocar o corpo de molho e dar um bom banho. Se não houver uma cura para as feridas da alma, um banho intenso e pleno na Palavra, elas irão feder e contaminar a vida. Assim como uma alma limpa é uma alma salva, uma alma suja é uma alma perdida.

Uma alma curada dá origem a um novo homem, criado segundo Deus, em verdade, justiça e santidade.

Uma alma curada se torna absolutamente livre, fazendo com que o indivíduo seja capaz de optar pela melhor escolha, liberto para dizer sim ou não, sem tendências escravagistas que o inclinam e o submetem ao jugo que o faz ceder à tentação, para praticar o pecado. Alma curada é ter o poder de dizer não à pratica pecaminosa.

A síndrome do “Lázaro morto” – aquele que fede – aterroriza muita gente, mas Jesus quer soprar o folego de uma nova vida, para escrever uma nova história. Ao salvar a alma, Jesus Cristo a cura das chagas horríveis, através do novo nascimento, afinal, o novo vem revestido da perfeição de Deus.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26/06/2015 in Uncategorized

 

O SHOW JÁ COMEÇOU!

imagesRogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.”

Romanos 12:1

Estamos vivendo tempos difíceis pra se manter a ordem nos cultos. O sacerdote enfrenta uma concorrência violenta promovida pelos aproveitadores da fé, e quando o assunto é reunir o povo e agregar pessoas, vale até vilipendiar às instruções bíblicas e “rasgar” as suas páginas.

Louvo a Deus pelas igrejas que ainda prestam cultos a Deus, e olha que ainda são a maioria, e o que seria do evangelho sem essa postura bíblica e sem esses princípios de integridade?

Porém, em contrapartida, uma bagunça se espalhou trazendo confusões mentais, perturbações teológicas, crises psicológicas, esquizofrenia, culminando com a desordem e o descumprimento com a Palavra, tudo em nome de uma modernidade comparável ao mundanismo e apelo ao crescimento, que não está atrelado a salvar almas, mas ganhar gente.

Não combato estratégias, mas condeno falta de princípios. Não ataco igrejas, mas censuro religiões e posturas.

Os eventos nas agremiações gospel – apesar no nome diferente na fachada – em nada se parecem com um culto. Um culto deve seguir o padrão bíblico, veja o texto no cabeçalho. Porém, não estão oferecendo um culto racional a Deus, mas um evento para a plateia. O evento é bom quando o povo entra em polvorosa. O termômetro não é o cheiro agradável que Deus recebe e sua resposta, mas essa medição é feita pelo “gloriômetro” dos encantados promoters da fé.

Tornou-se comum ouvirmos: “o culto foi tremendo!”. Mas se o culto é pra Deus, o que interessa é a opinião d’Ele.

O nome de Jesus Cristo é colocado em segundo plano pelos artistas dos púlpitos, transformados em palco, as vibrações “almáticas” incendeiam indivíduos sem glorificar a Deus. Não se vai à igreja pra cultuar ao Senhor, mas pra se sentir bem e extasiar as emoções, atingindo o “orgasmo” da alma.

Ocupar o púlpito não gera temor e tremor, mas frisson.

É óbvio que o show na casa de Deus é patrocinado pelo pastor local e os seus ajudantes de palco, que perfilam os artistas com um script pronto pra manipular o povo e gerar vibrações. O show empolga, e a opinião e os sentimentos do Espírito Santo pouco importa, aliás, caso Ele fosse corporalmente humano, estaria irreconhecível encostado em algum canto do auditório.

O pastor da igreja sabe muito bem quem ele convoca, o quer que seja feito e o efeito que isso causará à sua plateia sedenta pra esfuziar as emoções. O líder da “casa de show” tem um propósito claro pra impactar o povo e exaltar o nome da sua igreja. Não há preocupação alguma – nesses casos – em ser Cristocêntrico, mas egocêntrico.

Não há espaço para o Espírito Santo, os corações já estão pré-ocupados com as expectativas frenéticas aguardando o momento em que o show vai começar, e afinal, as feras do palco que invadiram o altar, são hábeis na manipulação do fogo estranho, das mazelas dos carentes e dos mal resolvidos.

Depois do show vem as “selfs”, a prova de que os caras “quebraram tudo” e de que o show foi um sucesso.

E como vi escrito na fachada de uma igreja: “ASSISTA A PRÓXIMA ATRAÇÃO”. É só anunciar o próximo show, acender das luzes, preparar a efusão da alma pela fama e o sucesso e deixar a galera rasgar as “sedas dos elogios”.

Quanto a Deus… bem, como sempre ficará de fora, afinal, Ele não é parte dessa festa.

 

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 15/06/2015 in Uncategorized

 

TERREIROS GOSPEL

mqdefault“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios”. 

1 Timóteo 4:1

 

Se tirarmos a pessoa da macumba e não tirarmos a macumba de dentro dela, ela vai virar um crente macumbeiro. É o que está por aí hoje em muitas igrejas neopentecostais.

Alguns se dizem crentes e baixam o “santo”, e não são habitação do Espírito Santo, porque Ele não divide espaço com demônios.

Os demônios fazem gente de cavalo, e bota pra estrebuchar. É nítida a diferença entre – pra quem tem discernimento – uma manifestação demoníaca e o mover do Espírito Santo.

Aquele que tem o Espírito Santo não perde os seus sentidos e tem o poder de controlar as suas emoções, pois sabe dominar o seu espírito. Mas, afinal pra que serve essas atitudes tão espalhafatosas? Na verdade essas pessoas tem problemas emocionais e até psicológicos, pois há uma necessidade de provar para os outros que elas têm “poder”, quando na verdade são apenas escravas de um sentimento de inferioridade.

A grande maioria que procura esses movimentos estão tentando fugir dos seus problemas. São indivíduos que normalmente sofrem com questões relacionais, e o foco do tormento está dentro de casa. Tentam fazer de um pretenso momento espiritual a escapatória das suas vidas ruins. A questão é que se envolvem com problemas maiores ainda, quando os demônios se aproveitam para confundi-las, gerando mais perturbações do que aquelas que já tinham.

As manifestações dos terreiros de religiões originalmente afros estão invadindo os “terreiros” gospel. Para avançar nessa estratégia do inferno, até roupas de candomblé estilizadas para o gospel estão usando. Homens de vestidos bordados e coloridos, rodopiando ao modo de um espírito que opera no Egito, carregadores de fogo, atabaques e palmas ditam o ritmo que os levarão ao transe. Daí é um passo para a possessão maligna. O que acontece daí pra frente não é diferente de nenhum centro de macumba ou candomblé.

Por ter nascido num berço pentecostal, a Assembleia de Deus, desde menino fui instruído sobre o Espírito Santo, o poder do nome e do sangue de Jesus Cristo, e tive inúmeras experiências com o exorcismo, e o que vejo hoje não deixa dúvidas, o diabo se assentou em alguns lugares designados pra Deus e está se comportando como se fosse Ele. Isso é possível pela ignorância e a falta de chamado de quem se fez pastor.

Se não conhecêssemos a Palavra estranharíamos crente chamando manifestação maligna de operação de Deus. São os ignorantes da fé, que se apostataram dando ouvidos a espírito enganadores e se tornaram praticantes da doutrina de demônios. Isso não seria tão terrível se na fachada do prédio não houvesse uma placa com o nome de uma Igreja Evangélica.

Pai e mãe de “santo” gospel e filhos de “santo” não combinam com o Evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo.

Quer rodopiar, estrebuchar, e se debater? Procura um terreiro, faz despacho e se consulta com “pai de santo”. Isso num espaço que deveria ser uma Igreja Evangélica é intolerável.

Quer fazer descarrego? Vai na Universal ou terreiro de candomblé, porque numa Igreja Evangélica Cristocêntrica o que vai acontecer é que vão expulsar o demônio que te atormenta.

O exorcismo sempre foi uma característica forte do movimento pentecostal, mas hoje não se expulsa demônios, chamam ele de “mover de Deus”. Esse comportamento é exclusivo desse movimento repugnante que tenta denegrir o nome de Jesus Cristo e demonizar o verdadeiro, genuíno e inconfundível mover do glorioso e sacrossanto Espírito Santo.

Alguns que se dizem pastores não sabem a diferença entre Deus e o diabo, e acabam praticando ensinos de demônios.

A ausência do discernimento de espíritos é a prova irrefutável da falta de chamada ministerial. São cegos, estúpidos, gente que vive em trevas tentando conduzir pessoas incautas pra os braços de Cristo, quando eles mesmo não conhecem o Jesus que pregam, e arrastam após si, centenas de pessoas para o abismo.

Dói o meu coração quando vejo crentes endemoninhados achando que estão cheios do Espírito Santo.

Alguns bestas de plantão, advogados do diabo diriam: “quem é o senhor pra julgar”. Quem disse que estou julgando? Estou ratificando o óbvio, pra quem tem discernimento.

E se eu estivesse julgando? “Não julgamos os que são de fora, porque não havemos de julgar os que são de dentro?”– Apóstolo Paulo.

Quem não tem experiência e discernimento – mesmo crente – bate cabeça pra demônios e ainda o chama de meu Senhor.

 

 
1 Comentário

Publicado por em 05/06/2015 in Uncategorized

 

CUMPRA O SEU DESTINO!

frase-segue-o-teu-destino-rega-as-tuas-plantas-ama-as-tuas-rosas-o-resto-e-a-sombra-de-arvores-fernando-pessoa-100520

Esse ano que começou ainda carrega consigo o DESTINO para o qual todos nascemos, um paradigma invisível inserido por Deus em nós para que cumpramos com o PROPÓSITO da nossa existência.

Não nascemos por acaso, mas para cumprirmos uma DEMANDA de Deus num certo período visto por Ele dentro do “tempo” que chamamos de eternidade.

Peço a Deus que te ilumine, para que você tenha convicção em tudo o que faz, e que ninguém pode fazer por você, porque essa é a sua responsável tarefa, razão pela qual você existe.

É a certeza de que há um propósito pra sua existência que faz de você alguém especial, insubstituível, inigualável, designado por Deus para fazer valer a sua passagem pela Terra, marcando história e deixando um legado.

Não deixe Deus se “arrepender” de ter permitido você nascer.

Que nesse ano as suas virtudes sejam postas em ação, as suas forças sejam renovadas, e os seus voos sejam nas maiores alturas, onde o brilho da luz de Deus nunca é bloqueada pelas tempestades da vida.

Esteja pronto para agarrar com força e ânimos renovados as oportunidades que bailarão diante dos seus olhos, é o prover de Deus para que todo o seu potencial seja utilizado pra REALIZAR os seus sonhos e desafios, e tudo aquilo que te vier à mão pra fazer.

A vida que você tem agora é a prova de que Deus está dizendo: “é a sua vez”. Portanto faça a vida acontecer.

Que Deus te abra novas e grandes portas de oportunidades e o guie onde quer que estejas, e abençoe a sua família e todos os seus. 

Um 2015 com porção dobrada!

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 05/01/2015 in Uncategorized

 

ROUPA PARA A PELE NUA

PicCollageE eles perceberam que estavam nus.

Antes de terem o conhecimento do bem e do mal a nudez era simplesmente natural, mas agora, Adão e Eva precisavam cobrir a nudez, esconder o que antes não os envergonhavam. Eles não podiam deixar expostos partes de si, não era uma preservação da intimidade, mas um esconderijo moral, era necessário criar uma cobertura que representasse uma caricatura diferente de quem eram inicialmente.

Eles fizeram a primeira fantasia, fabricaram a primeira máscara e a inauguraram num encontro com Deus.

É loucura tentar fazer de um encontro com Deus um baile de máscaras e dissimulações, mas infelizmente é assim que o instinto humano age, ao invés de assumir na “pele” o mal que se impregnou, para que exposto, a procura da solução seja uma opção, resolve ocultar de si mesmo e dos outros os motivos que podem gerar vergonha.

Pois é, eles inventaram um avental de folhas de figueira. Uma desastrada tentativa de cobrir as suas vergonhas. Quantos aventais são fabricados pelos indivíduos que dissimulam as suas más escolhas? Fazem um desfile invisível de uma grife que já nasceu falida.

O ser humano fez a sua escolha e Deus não pôde mudar isso, afinal, ele respeita o livre arbítrio.

As nossas atitudes decidem o nosso futuro.

Foi assim que o casal “cabeça de vento” definiu o seu destino e o de toda humanidade. O Pai celestial os tinha prevenido do perigo das decisões erradas que trariam colheitas amargas, e seriam obrigados a sair do jardim, mas eles resolveram arriscar e não se importaram com o alerta, brincaram com o perigo e tiveram que assumir as suas responsabilidades.

A questão era tão simples:

Primeira opção: continua crescendo, obedecendo às regras e ficam eternamente numa boa;

Segunda opção: são livres pra tomarem a decisão errada, podem desobedecer, mas tem que se “mandar” e     largar as mordomias.

O que acho muito legal é que Deus não fica no blá blá blá… Define logo como o negócio funciona, não deixa ninguém ficar encima do muro. Se ficar tem que ser numa boa, se pisar na bola tem que seguir sua vida. É isso que a gente não faz, não definimos as regras de convivência, aí as pessoas fazem o que dá na telha e nos obrigam a aturar o que não queremos.

Como diz o Dr Mike Murdock: “Você não pode reclamar daquilo que consente”.

Prosseguindo: A vida sempre foi assim, produz aquilo que semeamos e nos impõe colher e comer aquilo que muitas vezes tentamos escapar. Plantou? Agora se vira, não adianta gemer.

Mesmo decepcionado (Deus tem sentimentos) Deus não podia deixar o ser humano à própria sorte. Assim Ele revelou a sua misericórdia exercendo o talento de estilista, o primeiro na história humana. Ele matou um animal e da sua pele confeccionou roupas decentes para o casal – que acompanhou o processo da indústria têxtil do Criador – assim aprenderam como fazer pra comer e se vestir daí por diante.

É preciso caçar pra viver. Um novo paradigma para os homens estava definido.

A nossa sobrevivência depende das nossas habilidades em extrair do meio ambiente recursos para nos suprir. Quase todos somos caçadores, digo quase porque alguns “marmanjos(as)” ainda ficam na rebarba, ao redor da mesa sempre filando uma “boia”, uma roupas de grife, uma mesada ou herança – contando que não trabalhem – sem nunca terem aprendido a caçar. A famigerada geração “nenem”: nem estudam e nem trabalham.

O ser humano passou a se utilizar dos animais para sobreviver, tanto para se alimentar, vestir, transportar e usar a força na agricultura, nas competições e na guerra.

Aprendemos a matar pra suprir a nossa existência.

Eu me retorno que aos domingos comíamos uma galinha ensopada, daquelas criadas no quintal, e quando adolescente a minha mãe mandou eu matar uma penosa, foi um negócio muito louco, porque eu cortei a sua cabeça do bicho e soltei… dá pra imaginar o que aconteceu?

Voltei pra família de Adão e Eva. Porém, tendo conhecimento do bem e do mal (tinham comido o tal fruto proibido e foram expulsos do bem bom), o irmão ciumento optou em se utilizar do mal, se transformando em “bicho” que mata gente. Foi aí que o bicho pegou e está pegando até hoje, porque esse assassino gerou e gera muitos filhos.

O conhecimento do bem nos leva a matar um bicho para que o animal racional possa viver (exceção aberta pros vegetarianos), porém o conhecimento do mal pode fazer com que o animal racional revele a sua irracionalidade maligna capaz de matar o seu semelhante, o seu igual, irmãos de natureza, fazendo-se o mestre da perversão dos valores que nos diferenciam dos bichos, gerando discípulos ainda mais perversos e malignos.

Filhos com a marca da maldição, indivíduos com sabor de sangue inocente inundando a boca maligna. Não cessam de fazer o mal, fazem da vida alheia um fragmento de poeira. Bichos gerados pelo inferno. Filhos da perdição.

Por debaixo de uma roupa de grife pode se esconder um lobo voraz e o seu couro fedido. Um bicho com cara de gente.

Nunca se sabe quem está de fato escondido debaixo da pele de gente, mas uma coisa é certa, Deus não criou o homem pra ser vítima da perversidade. Esse paradigma gerado pela ambição e desobediência exigiu uma atitude ainda mais dramática de Deus, que ofereceu a vida do Seu único filho para salvar a vida de quem se perdeu.

O “Cordeiro de Deus” entregou a sua vida para revestir o novo homem com vestes brancas e puras.

Pelo poder do sangue de um homem sem máculas recebemos a graça de ter apagado todos os motivos da nossa vergonha, para que nunca mais necessitemos nos cobrir com as grifes falidas, que usamos como marketing pessoal para impressionar quem nos vê por fora, mas jamais imagina quem verdadeiramente somos por dentro.

As “folhas de figueira” podem fazer uma roupa que encanta uma plateia que admira grifes falidas.

Quando recebemos o sacrifício do Filho de Deus podemos nos desnudar das folhas do nosso marketing pessoal, para nos apresentarmos diante do Pai com a nossa genuína identidade moral/espiritual, completamente desnudados da arrogância do caráter humano, para que Ele se encarregue de elaborar os novos moldes das vestimentas – como Estilista inigualável que é – desenhadas com exclusividade para cada um de nós, dentro das medidas do crescimento que foram pré-concebidas muito antes da primeira batida do nosso coração.

Somente Ele, Deus, pode nos revestir com as vestimentas do novo homem, sua verdadeira imagem e semelhança, nascidos pela obra da Sua graça.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 26/11/2014 in Uncategorized

 

PARECE COM CRISTO, MAS É UM LÍDER ANTICRISTO

anticristo-fimdomundo4

Todo governo anticristão terá necessariamente a cobertura de um líder religioso, um anticristo que prega Cristo, mas nega a sua eficácia com as suas maracutaias, costuras, acordos e benesses políticas, articuladas por debaixo do pano, mesmo que sejam reprovadas pela Palavra de Deus.

Um líder religioso anticristo é aparentemente adepto de Cristo, ocupa a tribuna destinada ao exercício sacerdotal, porém ressuscita símbolos, maquia a Palavra, ludibria o povo com promessas que Deus não fez, e de forma sistemática substitui Aquele que É, por aquilo que O prefigurava, assim obscurece o Seu santo nome.

Um líder anticristo se assenta na igreja construída em nome de Cristo, governa dizendo ser em nome de Cristo, mas é o lugar onde Cristo não governa. Um lugar onde o nome d’Ele pode estar na fachada, mas não ocupa o primeiro lugar no coração do povo.

Na igreja do anticristo o nome de Jesus Cristo fica do lado de fora, mesmo que os milagres sejam feitos em nome d’Ele do lado de dentro. O Seu nome é apenas um nome que não tem espaço na vida diária das pessoas, e nem é o bastante para ser Deus único, porque acreditam mais nos misticismos do que naquele que tem o Nome sobre todo o nome.

O líder anticristo constrói sua igreja em nome de Cristo, mas toma o assento de Cristo pra governar a vida dos incautos em Seu lugar, sem o Seu consentimento, para tornar os indivíduos dependentes de si, fazendo-os escravos de um sistema religioso que impõe um círculo de trabalhos espirituais que não cessam nunca e jamais libertam.

O líder anticristo atua em nome de Cristo, rouba o coração do povo para que o amem mais do que a Deus, é admirado pelos ignorantes da fé, analfabetos de bíblia, e sem conhecimento do Filho de Deus jamais serão libertos. É impossível combate-lo sem suscitar a ira incontida dos seus amantes, e os seus apaixonados e cegos admiradores, subalternos servidores, não enxergam que são vítimas de um espírito de encantamento. Eles se tornam escravos extasiadamente encantados.

Todo líder anticristo é um religioso estupendamente magnífico. Ele acredita em si mesmo, confia naquilo que é, impõe a sua presença em nome de Deus, assim como o seu pai – Lúcifer – se apresentou diante de Deus, misturado no meio dos filhos. Ele é um “filho estranho” que se trata como filho preferido. Para ele não importa a opinião de Deus, o que importa de fato é o que ele acha que Deus acha.

Quando os símbolos dentro da igreja – inclusive o líder – se tornam maior do que aquele que é o dono dela, o noivo se retira, e ali a aliança está desfeita, mesmo que o “anel” continue sendo ostentado no dedo.

Para reprovar os atos de um líder anticristo é preciso conhecer a Palavra de Cristo, e o próprio Cristo, sem isso ele se torna o herói dos ignorantes. A boa fé levará os incautos a adorar o líder anticristo, e a mesma boa fé os destinará ao inferno.

É difícil combater um “diabo” – um líder anticristo – que faz “boas” obras, por isso tanta gente é enganada.

Boas obras, sinais, prodígios e maravilhas não são aprovação de Deus para os indivíduos, senão o líder anticristo estaria aprovado.

Amarão mais o líder anticristo do que a Palavra de Cristo.

A ressureição dos símbolos dentro da igreja de Cristo é a estratégia do líder anticristo pra neutralizar o Nome que é sobre todos os nomes.

O líder religioso e o governo anticristo são os sócios de Satanás.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 21/11/2014 in Uncategorized

 

DEUS DE COISAS NOVAS

flor no deserto

Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm águas” – Jeremias 2:13

Deus quer fazer coisas novas, isso quer dizer que o que Ele já fez se tornou velho, porque até o novo de Deus envelhece.

Procure encontrar escrito em sua alma os seus maiores desejos, se puder enxergar isso, poderá ver as coisas novas que Deus quer fazer.

Se as coisas novas não acontecem em sua vida é porque não há uma semente nova plantada em nosso coração.

Viver das coisas velhas é como sobreviver dos restos de uma colheita guardada num depósito quase vazio.

A nossa fé é o documento pessoal e intransferível com o qual dizemos a Deus que estamos prontos para viver em novidade de vida.

Vida velha, fatos passados, falta de novidades e expectativas é o retrato da ausência de Deus.

Assuma o controle da sua vida, levante suas velas, segure o leme e tome o rumo orientado pela bússola dos seus sonhos e projetos.

O Espírito Santo encherá as suas velas de um vento do mover sobrenatural, que o impulsionará na direção do melhor de Deus pra sua vida.

Se alguém não é capaz de se desesperar com o abandono do deserto é porque nunca soube o que é viver.

A ausência de coisas novas é um deserto por onde a vida não passa e o lugar onde a morte resolveu fazer moradia.

Deus quer abrir um caminho no deserto da sua vida, essa é a única forma de tirar alguém de lá.

Deus quer fazer correr um rio de águas cristalinas pra eliminar a secura, e pra fazer desabrochar novos sonhos e projetos.

Deus quer criar um ambiente onde novos sonhos e projetos poderão nascer, e serão irrigados cotidianamente com os seus favores.

 
1 Comentário

Publicado por em 08/10/2014 in Uncategorized

 
 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 39 outros seguidores